Cerca de 40 mil pessoas em Piracicaba usam o transporte público gratuito. São idosos, portadores de necessidades especiais entre outras particularidades que tem garantia legal da utilização do benefício. Entretanto, o cartão VAI gratuidade é de uso exclusivo do beneficiário.

O gerente administrativo da Via Ágil, Murilo Olivetti, explica que a empresa investiu em uma tecnologia que permite saber se o uso está sendo feito por quem é de direito ou não. “Temos um detector fácil em todos os nossos validadores de acesso aos terminais e ônibus. As imagens são coletadas e enviadas a um banco de dados que faz a comparação. Caso ele identifique alguma diferença entre as fotos, recebemos uma alerta, apuramos o fato e confirmado o uso indevido, cancelamos o benefício conforme estabelecido por decreto de nº 8.738/99”, explica o Olivetti.

A princípio o benefício é suspendido por 45 dias, havendo reincidência, o período se alonga, até uma suspensão com prazo indefinido. Olivetti explica que a ação é necessária para garantir o benefício concedido pelo município sem que este onere o passageiro pagante. “Os benefícios concedidos pelo governo devem ser monitorados para que os demais usuários do transporte coletivo não sejam lesados.”, argumenta.

Devido à consciência da população, o número de bloqueios vem caindo a cada ano. Em 2016 foram mais de 3 mil bloqueios, já em 2017 esse número caiu para 2000. “O piracicabano em geral tem consciência da utilização correta, mas algumas pessoas mesmo informadas da exclusividade insistem no erro”, finalizou.