A Via Ágil não é feita apenas por funcionários, a empresa conta com mais de 700 histórias de vida e cada história tem a sua peculiaridade. A dor, a alegria, a derrota, a vitória e principalmente as conquistas, que moldam o caráter e amadurecem a cada um de nós.

lucas_int_1

Lucilena sempre ao lado do filho Lucas. Foto: Assessoria Via Ágil

 

Na primeira reportagem da série “Nossos heróis”, a Via Ágil vai contar a história de superação, força e fé de Lucas Bigaran da Silva e sua família. Aos 21 anos, Lucas trabalha na CFTV e está há mais de um ano na empresa.

Morador no bairro Algodoal, Lucas teve um infância normal até um ano e meio, foi quando um simples tombo e um machucado no joelho iria mudar a sua história. “Ele era uma criança muito ativa, gostava de brincar, não tínhamos noção do sofrimento e luta que viria pela frente”, disse Lucilena Bigaran Fogaça, mãe de Lucas.

int_lucas_1

Ainda criança, Lucas vivia no colo da família/foto: arquivo pessoal

Com muita dor nas pernas, Lucas foi levado ao hospital, porém nada havia sido diagnosticado. A ferida causada pelo tombo já estava cicatrizada sem nenhum problema. Foram idas e vindas, até que sua perna começou a inchar. “Ninguém sabia o que era, mas a perna não parava de ficar roxa e pipocava na perna toda pontos marrons. Foi quando o médico me chamou e disse que teria que abrir para ver o que era. Foi um dos momentos mais difíceis, pois tive que assinar um termo em que autorizava o médico a, em último caso, amputar a perna do meu filho”, lembrou Lucilena.

Na primeira cirurgia, foi descoberto que Lucas estava com osteomielite. Não houve a necessidade de amputação. A tentativa agora era de recuperar o osso desgastado. “Não me lembro de muita coisa, mas me recordo que sempre falava para minha mãe que eu iria ficar curado”, disse Lucas.

Os cuidados eram muitos, pois a perna da criança estava muito frágil, foi quando Lucas tentou levantar da cama, firmou o pé no chão e quebrou novamente o osso. “As feridas já estavam quase curando e ele teve essa fratura. Fomos nós novamente para o hospital, lá se foram mais meses de tratamento”, recordou a mãe de Lucas.

Nada resolvia o problema, o osso continuava frágil e não iria aguentar a energia de uma criança de cinco anos, foram vários tipos de tentativa sem sucesso. Até que uma prótese vinda da Itália poderia resolver o problema. “Ele teria uma dificuldade maior para andar, porém queria meu filho de volta e brincando de qualquer jeito”, se emocionou Lucilene.

Foi ai que veio o milagre. Quando tudo estava caminhado para a colocação de uma prótese em seu fêmur, um novo osso cresceu na perna de Lucas e nem os médicos conseguiram explicar. “O médico me chamou na sala e perguntou se eu era religiosa e explicou do aparecimento inesperado do osso. Nem acreditei, o tanto que pedi a Deus para curar meu filho. Fui atendida”, festejou.

O problema retardou o crescimento de uma das pernas, deixando uma um pouco maior que a outra, porém nada tirou a vontade de viver de Lucas. “Após me livrar dos aparelhos fiz tudo que tinha vontade, mesmo não podendo fazer algumas coisas, fazia assim mesmo. Jogava bola, andava de bicicleta, subia em árvore. Meu problema nunca foi empecilho para eu ser feliz”, garantiu.

int_lucas_3

Lucas consegue conciliar seu trabalho com os estudos no Senac/Foto: Assessoria Via Ágil

Na empresa Via Ágil, Lucas se sente feliz. Segundo ele, o ambiente de trabalho é muito bom. “Aqui temos ótimos benefícios, proximidade com nossos superiores e o horário que faço consigo conciliar com meus estudos”, afirmou o estudante do terceiro semestre de administração, no SENAC.

 

Diógenes Stenico, gerente operacional da empresa, diz que Lucas é um ótimo funcionário, sempre educado e muito responsável. “Não temos o que falar dele. O Lucas é um dos nossos melhores funcionários. Sempre dedicado e disposto a ajudar em qualquer situação”, comentou.

Lucas finalizou dizendo que tira muita lição de tudo que aconteceu. “Não devemos nos entregar nunca e nem nos sentir inferiores as outras pessoas. Você pode tudo, basta querer. Hoje faço coisas que muita gente sem deficiência não faz. Nunca desista, siga em frente, sempre”, finalizou.