Atenta a preservação do Meio Ambiente e seguindo a legislação ambiental, a Via Ágil tem a constante preocupação e destinar corretamente seus resíduos. Mensalmente, são levados para reciclagem, vidros, sucatas, pneus, óleo lubrificante, resíduos de freio e etc. “São empresas especializadas, que pelo menos uma vez por mês passam para retirar esses materiais que armazenamos”, explica o analista de manutenção, Ediel Marcos de Macedo.

São em média dois mil litros de óleo lubrificante por mês, utilizado no motor, câmbio e diferencial, cerca de 50 pneus por mês, que são retirados e levint_1ados para serem triturados onde viram farelo de borracha e são utilizados na construção civil, na pavimentação asfáltica e também para suporte de assentos de sofás entre outras coisas. Os resíduos de lonas de freio, cerca de 1200kg por mês, são coletados e  também triturados e voltam a ser utilizados para produção de novas lonas.

Vidros, lâmpadas, material reciclável, estopas, sucatas, baterias, lixo do ambulatório são outros materiais que tem sua destinação correta. Além disso, existe todo um trabalho de decantagem da água que lavam os veículos. “Essa água precisa ser separada do óleo, por isso temos o sistema que realiza essa separação. Estamos também implantando um sistema de captação da água da chuva”, conta Danilo Favarim, técnico em segurança do trabalho.

Favarim também relata que diariamente a empresa se preocupa com o consumo consciente de água e energia elétrica. “Estamos sempre conversando com nossos colaboradores no sentido de utilizar somente o necessário. A consciência ambiental é importante e praticada constantemente na Via Ágil”, finaliza.

Combustível renovável (BIODIESEL)

Além da preocupação na reciclagem dos materiais, toda a frota de ônibus operada pela Via Ágil é movida por uma mistura do Diesel de origem fóssil com o Biodiesel, que é um combustível renovável, biodegradável e que, além de emitir menos poluentes em sua queima, reduz a emissão de gases de efeito estufa na sua produção.

As conduções ambém possui dispositivos de redução de poluentes, parte dela um dispositivo físico chamado e outra parte um reagente que vai direto no combutível chamado EGR (Agente redutor de oxido de nitrogênio).